Studio dos Cachos – Florianópolis | Vivendo no século passado
4980
single,single-post,postid-4980,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,

Vivendo no século passado

Lidar com os cachos sem o auxílio de especialistas e sem as informações e conhecimento que se tem nos dias de hoje não é um tarefa fácil. Esta foi a realidade das encaracoladas até o final do século passado. Ou seja, mulheres com mais de 17 anos provavelmente passaram ou passam por alguma situação pouco agradável com seus cabelos. Seja na hora de lavar, acordar, sair para um evento ou até mesmo no dia-a-dia.

.

Felizmente, hoje, essas situações não são mais necessárias passar pois existem profissionais, salões e produtos certos para os cabelos encaracolados. Mas por que algumas pessoas ainda tem dificuldade em lidar com os cachos? E mais. Por que algumas crianças ainda passam por situações desagradáveis em virtude de seus cabelinhos encaracolados?

.

Mesmos sabendo as respostas, queremos trazemos essas questões neste artigo para que você se questione. Se você é uma encaracolada ou mãe de uma criança encaracolada, deve trazer este questionamento para sua vida.

.

Apontamos alguns itens que podem estar contribuindo para que você ou sua filha(o) estejam “vivendo no século passado“:

.

Falta de informação: É o motivo mais recorrente. O acesso a informação é algo fácil mas nem sempre procurado. Pesquise em sites especializados, questione profissionais especialistas em cachos e tenha o auxílio de livros da área para compor uma gama de informações necessárias para saber lidar com os cachos. Mas cuidado, como há muita informação, você, inevitavelmente irá encontrar incoerências nas diversas fontes. Por isso, escolha bem a fonte mais certificada para tal.

.

Crença limitante: Se você NUNCA teve uma relação boa com seu cabelo natural, essa crença de que vocês não são “amigos” pode permanecer para sempre. A única pessoa que pode quebrar essa crença é você mesma. Resignifique seus cabelos cacheados. Veja-os com outros olhos. Pare de criar desculpas para provar que você está certa em não gostar deles.

.

Trauma de mãe para filha: Caso você seja uma alisada, acostumada com seu visual e com os procedimentos químicos que fazem seu cabelo deixar de ter os tão “assustadores” cachos, e tenha uma filha encaracolada, deve estar passando por uma situação um tanto complicada. Passar química em criança não é recomendado. Sabemos, e achamos que você deva saber também, que estes procedimentos químicos estão fazendo mal irreversível ao seu corpo. O aparecimento de alergias crônicas, cauterização dos folículos pilosos e até mesmo câncer, são prevenientes desta química. Então o que fazer? Como sua filha irá se gostar cacheada se a mamãe é tão linda alisada? Lembre-se, você não precisa passar seus medos a seus filhos. Não precisa “lamber” seus cabelinhos para que não formem cachos. Não precisa escondê-los. Não projete seu lado “criança traumatizada” em sua cria. Promova a auto-estima desta criança em sua total naturalidade. Se gostar, do jeito que veio ao mundo é tão importante quanto respirar. Se gostar é o respirar da alma! (que frase profunda … rsssss). Pense sobre seu papel de referência!

.

Situação nova: Muitas mães são lisas desde criança mas seus filhos nascem crespinhos (provavelmente herança genética de um lado da família). Essas mães, diferentes das traumatizadas do item anterior, foram colocadas no mundo dos cachos por meio de seus filhos. É tudo muito novo para elas. Buscar auxílio de familiares cacheados pode ser uma boa ideia desde que a relação destes com seus cachos seja uma relação saudável e natural. Não busque ajuda de quem não se aprova. Busque quem já é empoderada com seus cachos.

.

Para finalizar, fica a nossa sugestão de que viva em seu tempo, século XXI, com o melhor que todo o conhecimento e tecnologia possa lhe oferecer. Desgrude-se do passado e das crenças que não deixam você dar um passo a diante. Dê valor a saúde de seu corpo e mente. Seja uma referência positiva e inspiração para os que a cercam. Encontre em você, sua melhor versão encaracolada!

 

Sem comentários

O formulário de contato não está ativo nesta página.